Programa de Pós-Graduação em Política Social tem novo nome

Programa de Pós-Graduação em Política Social e Direitos Humanos (PPGPSDH). Esse é o novo nome do PPG da Universidade Católica de Pelotas (UCPel). A alteração foi feita pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES)para complementar e explicitar melhor as áreas de atuação do mestrado, do doutorado e as linhas de estudo dos seus respectivos docentes.  
Criado em 2006, o mestrado da UCPel nasceu através da Escola de Serviço Social. Em 2014 recebeu autorização para funcionar no nível de doutorado. De acordo com o coordenador do Programa, Luiz Antônio Chies, mesmo seguindo vinculado à área de Serviço Social na CAPES, gradualmente o programa se consolidou em dois pilares: Serviço Social e Direito. “São as duas áreas majoritárias, mas nosso programa é interdisciplinar e transdisciplinar. Podemos receber alunos das mais variadas formações”, explica.   
Com a alteração no nome, uma nova linha de pesquisa se juntou as duas já existentes. A primeira, considerada chave, tem o título Estado, Política Sociais e Direitos Sociais; a segunda Direitos Humanos, Segurança e Acesso à Justiça e a terceira tem o título Questão Social, Trabalho, Sociabilidades e Resistências Políticas. “Com a ampliação queremos potencializar algumas ações que a UCPel já possui nas áreas de ensino, pesquisa e extensão”, comenta Chies. 
Ampliação do impacto das pesquisas realizadas no Programa e a busca pela ampliação do diálogo com o setor da administração pública são outras metas a serem buscadas. Conforme explica o docente, é um desejo da coordenação contar com discentes atuantes na gestão pública e envolvidos na elaboração, captação de recursos, monitoramento e avaliação de projetos de políticas públicas. 
Nas disciplinas oferecidas não houve alterações, visto que desde 2014 temas transversais aos diretos humanos integram o conteúdo programáticos dos cursos. No corpo docente do PPG também não houve mudanças. O Programa da UCPel possui conceito quatro na avaliação da CAPES e é o único da área no interior do Rio Grande do Sul. Até o final de 2017, foram formados 153 mestres e sete doutores. 
Temas complementares
Políticas Sociais e Direitos Humanos são temas muitos próximos e que se encontram em inúmeras situações. Conforme Chies, muitas vezes as carências de políticas sociais geram problemas no nível de satisfação ou usufruto da cidadania e revelam infrações aos direitos humanos. “A busca pela efetivação dos diretos humanos eleva níveis de cidadania frente a determinadas populações, o que corresponde a satisfações também em direitos sociais. Então é nessas diversas relações que esses vários objetos de pesquisa nas três linhas podem atuar”, exemplifica.
Diálogo com grupos de pesquisa e projetos de extensão voltados para o tema direitos humanos já ocorrem, lembra Chies. “Alguns desses grupos já incorporam o seu nome a expressão direitos humanos e outros perpassam dimensões dos direitos humanos. A ideia é potencializar cada vez mais a rede existente em diversas dimensões da universidade”. 
Redação: Rita Wicth – MTB 14101

foto da notícia

Powered by WPeMatico